As Férias da Minha Vida

Eu já tinha assistido este filme na “Sessão da Tarde”, mas assisti-lo novamente neste momento da minha vida e com um novo olhar foi interessante…

Vale a pena assistir, pois o filme nos faz pensar no valor de cada dia da nossa vida!

As Férias da Minha Vida

SINOPSE

Assim que é diagnosticada com uma doença terminal, mulher tímida e insegura decide aproveitar o tempo que lhe resta fazendo uma última viagem de férias à Europa. Refilmagem de uma produção britânica homônima feita em 1950, cujo personagem central que aproveita ”o último feriado” do título era um homem (Alec Guinness).

LOCAIS DE FILMAGEM

  • Karlovy Vary, República Tcheca
  • Nova Orleans, Louisiana, EUA
  • Tirol, Áustria

TRILHA SONORA

“Every Time I Feel the Spirit”
Traditional
Arranjos de Shelby J. Wills
Interpretada por Queen Latifah & Ebenezer Baptist Church Radio Choir

“Farther Along”
Traditional
Interpretada por Queen Latifah & Ebenezer Baptist Church Radio Choir

“Don’t Wait Too Long”
Composta por Madeleine Peyroux, Jesse Harris & Larry Klein
Interpretada por Madeleine Peyroux
Cortesia de Rounder Records
Ocean Park Music Group

“Emeril Live Opening Theme Music”
Composta por Daniel Shklair

“Big Chief”
Composta por Earl King

“Feeling Good”
Composta por Leslie Bricusse & Anthony Newley
Interpretada por Nina Simone
Cortesia de The Verve Music Group
Sob licensa de Universal Music Enterprises

“Rich Girl”
Escrita por Gwen Stefani, Jerry Bock, Kara DioGuardi, Mike Elizondo (como Michael Elizondo), Eve (como Eve Jeffers), Sheldon Harnick, Chantal Kreviazuk & Dr. Dre (como Andre Young)
Interpretada por Gwen Stefani
Cortesia de Interscope Records
Sob licensa de Universal Music Enterprises

“Cool”
Escrita por Gwen Stefani & Dallas Austin
Interpretada por Gwen Stefani
Cortesia de Interscope Records
Sob licensa de Universal Music Enterprises

“I Feel Pretty”
Composta por Leonard Bernstein
Letras de Stephen Sondheim
Interpretada por Nellie McKay
Produzida por Adam Schlesinger
Nellie McKay cortesia de Columbia Records

“Tracks of My Tears”
Escrita por Smokey Robinson (como William “Smokey” Robinson Jr.), Warren Moore & Marvin Tarplin
Interpretada por Smokey Robinson

“Sometimes”
Composta por Michael Franti & Dave Shul
Interpretada por Michael Franti & Spearhead
Cortesia de Six Degrees Records, Ltd.
Ocean Park Music Group

“Isn’t It Romantic”
Composta por Lorenz Hart & Richard Rodgers
Interpretada por Ann Hampton Callaway
Produzida por George Fenton
Ann Hampton Callaway cortesia de Shanachie Entertainment Corp.

“The Nearness of You”
Escrita por Ned Washington & Hoagy Carmichael
Interpretada por Ann Hampton Callaway
Produzida por George Fenton
Ann Hampton Callaway cortesia de Shanachie Entertainment Corp.

“Auld Lang Syne”
Traditional
Interpretada por Ann Hampton Callaway
Produzida por George Fenton
Ann Hampton Callaway cortesia de Shanachie Entertainment Corp.

“Heavy Makes You Happy (Sha-Na-Boom-Boom)”
Composta por Jeff Barry & Bobby Bloom
Interpretada por The Staples Singers
Cortesia de Concord Music Group, Inc.

“Let’s Get It On”
Composta por Marvin Gaye & Ed Townsend
Interpretada por Marvin Gaye
Cortesia de Motown Records
Sob licensa de Universal Music Enterprises

Frases em Inglês

(from trailer)
Georgia Byrd: Next time… we will laugh more, we’ll love more; we just won’t be so afraid.

Georgia Byrd: You wait and you wait for somethin’ big to happen… and then you find out you gon’ die.

Georgia Byrd: What you gon’ do in Nashville?
Tanya: Girl, I am finally gon’ be a country-western singer!
Georgia Byrd: Tanya, ain’t no such thing as a black country-western singer.

(pointing at pictures in Possibilites Book)
Georgia Byrd: I really wanted to meet you. And I shoulda ate that. I shoulda ate all that stuff. Especially that. Shoulda put my foot in that.

(Adamian is making Georgia listen to Kragen’s CD)
Kragen’sVoice: Rule One: Life is not a popularity contest, but it is a contest. Boo-hoo, they don’t like me. Rule Two: You grab that scared little loser inside you and you beat the living crap out of him. Rule Three: When is enough enough? Enough is *never* enough.
(Georgia takes the CD out and breaks it)
Georgia Byrd: Enough is enough right now Mr. Adamian!

Georgia Byrd: Don’t that ceiling ever just make you want to cry?
(smiles)
Marie: I’ve never noticed Madam.

Georgia Byrd: What world was I living in?

(Walks into a boutique)
Georgia Byrd: Make me international.
Dress Shop Saleswoman: We shall try.

(voiceover while writing a letter)
Georgia Byrd: If you’re reading this letter, my disease has run its course. Enclosed is some money for my burial. I would like to be cremated. I spent my whole life in a box. I don’t want to be buried in one. Georgia May Byrd.

Gunther: Please don’t die, Miss Byrd, I read your note.
Georgia Byrd: You went through my stuff?
Gunther: Oh yeah, I go through everyone’s stuff, I apologize.

Gunther: Don’t die, Miss Byrd, I read the note.
Georgia Byrd: You went through my stuff?
Gunther: Ja, I go through everyone’s stuff, forgive me.

Chef Didier: The start is not nearly as important as the finish.

Dr. Gupta: I quit my job!
Georgia Byrd: Congratulations!
Dr. Gupta: I quit my job!
Georgia Byrd: You should’ve never had that job!

Gunther: (reading the fax on Georgia’s misdiagnosis) Ya-Ha-Ha!
(calmly)
Gunther: I will take care of this.

Georgia Byrd: I didn’t come here to make an impression on anybody, I just came here to blow every last cent I had.

Gunther: You were misdiagnosed by a faulty dog scan, you don’t have Lampington’s, you’re going to live!
Georgia Byrd: I’m not going to die?
Gunther: No!
Georgia Byrd: I’m going to live?
Gunther: Yes!
Georgia Byrd: I’m gonna live! Everybody, I’m gonna live!

(Marie is crying quietly while looking up at the ceiling)
Maitre D’: Marie, what are you doing?
Marie: Has that ceiling ever made you want to cry?
Maitre D’: What? Ceiling? Get back to work.

Georgia Byrd: (on the spa table) I’ve gotta use the bathroom!

Ms. Burns: Is it that obvious I’m sleeping with him?

Gunther: (Georgia finishes telling Gunther the spa services she wants to have reserved) No anti-aging treatment?
Georgia Byrd: No, I ain’t worried about aging.
Gunther: So that will be all?
Georgia Byrd: Ooh… ah… yes! The colon irrigation treatment. That’s my gift to you. Sorta like a ‘let’s be friend’s’ gesture. Now you think of me when you’re having it!

Ms. Burns: Who was it who said ‘Adversity is the stone on which I sharpen my blade?’

HMO Administrator: The cost of a median cranial debulking surgery is around $340,000. That’s without anesthesia. You’ll want that.

Anton: Ms. Byrd something terrible is happening.
Ms. Burns: (deadpanned) Matthew Kragen jumped out a window?
Anton: Not yet, he’s still on the windowsill

Chef Didier: You and I, we know the secret to life
(whispers)
Chef Didier: it’s butter.

Matthew Kragen: Where are you going?
Ms. Burns: Well, first I’m going to go find Georgia, and then I’m gonna go back to school and I’m gonna get my business degree. And then one day, when your wife finally decides to divorce you and takes half of everything you have, I’ll only be too happy to help her figure out exactly how much that should be.

Curiosidades:

» O roteiro do novo Last Holiday é da dupla Peter Seaman e Jeffrey Price, responsáveis por ‘Uma Cilada para Roger Rabbit’ e ‘O Grinch’.

CRÍTICA

As Férias da Minha Vida

Marcelo Hessel
De onde menos se espera, daí é que não vai sair nada mesmo. Essa versão do dito popular faz todo o sentido. Mas há exceções à regra. De As férias da minha vida (Last holiday, 2006), de Wayne Wang, por exemplo, seria legítimo aguardar pelo pior, mas o filme não é ruim.

Dos envolvidos não dava para aguardar muita coisa, para começo de conversa. Em filmes como A casa caiu e Um salão do barulho, Queen Latifah reproduz o estereótipo do gueto, que os estadunidenses adoram. Como As férias da minha vida se passa nos Alpes suíços, já é possível vê-la ensinando gringos a cantar rap… Já a última comédia romântica que o diretor chinês Wang rodou nos EUA foi Encontro de amor, em 2002 – seu currículo não ajuda.

A princípio, a premissa batida também não inspira confiança: mulher mal amada e desencantada com a sua rotina descobre que tem poucas semanas de vida, resolve tirar o atraso e descobre a felicidade no pouco tempo que lhe resta. Sendo uma comédia, não seria de espantar se revelassem no final que o diagnóstico da doença estava errado; não, a personagem não vai morrer, o final feliz está garantido. Aliás, quando o filme começa, damos essa possibilidade como uma certeza. Hollywood não ousaria matar uma figura carismática como Latifah, não é?

Mas a certa altura da projeção, quando a indisposição do começo se dissipou, aquilo que pintava como comédia escrachada vira uma leve história edificante. E o filme tende a ganhar a confiança do crítico, que até cogita: Puxa vida, talvez ela morra no final mesmo…. Esse é o maior elogio que As férias da minha vida poderia receber.

O segredo da felicidade é…

Não que o resultado seja uma obra-prima, os detalhes é que são interessantes. A começar pela presença de Latifah, que surge na telona com pouca maquiagem, sobrancelha grossa, anti-estilizada. A fotografia um pouco granulada ajuda a passar essa sensação de realismo. Ela interpreta Georgia Byrd, atendente da seção de cozinha de uma rede gigante de lojas de departamento. Anda na rua de cabeça baixa. No coral gospel da igreja, canta sem ânimo. A melancolia é enfatizada até o limite do melodrama e da verossimilhança.

Cena sintética: Georgia prepara em casa um delicioso frango assado, receita trabalhosa tirada do programa de TV do chef-celebridade Emeril Lagasse – mas na hora do jantar ela separa todo o saboroso prato para o menino vizinho comer, ela se contenta com um enlatado de microondas. O.k., pode parecer forçado, mas a idéia é clara. Georgia não tem um pingo de joie-de-vivre (os franceses, sua língua, assim como sua cozinha, aqui são referência, não escárnio). A alegria-de-viver está lá no fundo da sua alma, mas a personagem não sabe expressá-la. Isso vem depois, com a doença, a sensação de tempo perdido, a chance de condensar toda a experiência de uma vida em poucas semanas, e por aí a história engrena.

Outro detalhe que ajuda a enriquecer a trama é o contexto. Georgia é de Nova Orleans, mais exatamente do bairro cajun (também por isso as coisas boas dos franceses são enaltecidas). As férias da minha vida foi filmado antes da devastadora passagem do furacão Katrina por lá. O filme, assim, tem a melancolia encorpada pela tragédia da vida real. Latifah vira, de repente, porta-voz das dores do povo sofrido da Louisiana – e o roteiro sabe aproveitar bem essa faceta. Políticos omissos e empresários obcecados por lucro viram alvo de lições de moral de Georgia. Se a presença de cena da atriz já é suficiente para carregar um filme com simpatia, imagine então discursando em nobre causa… De repente o que parecia ser uma comédia descartável vira eficiente megafone dos justos e marginalizados.

Se As férias da minha vida consegue se equilibrar bem entre o humor previsível e o discurso edificante, não é o diretor Wang o responsável. A noção de câmera do diretor é capenga – há uma cena em que o personagem de Gérard Depardieu, chef do hotel suíço, imita um porco, mas a gag se perde simplesmente porque Wang escolhe um ângulo que não pega o rosto do ator de frente. Primário. Em outro momento, a cena em que Georgia desabafa com o coro gospel, por outro lado, Wang se sai bem – os closes nos instrumentos musicais, nos trejeitos afetados das pessoas, sugere uma crítica à espetacularização do sofrimento.

No fim, quem deve ficar com as glórias por botar em película um filme minimamente decente são Latifah (claro) e os roteiristas (que inclusive evitam a facilidade das piadas escatológicas). A certa altura o chef pergunta a Georgia se ela sabe o segredo da felicidade. Uma produção média de Hollywood costuma responder com um chavão clássico, tipo viver cada momento como se fosse o último. Aqui, não. O cozinheiro diz a ela que o segredo da felicidade é… a manteiga. Mais uma vez, o crítico-que-acha-que-consegue-antever-diálogos acaba desarmado. Um filme que enaltece a manteiga, a banha de porco e o leite gordo não pode ser ruim. Ah, e desta vez Latifah não ensina ninguém a cantar rap.

Trailer

*A imagem ilustrativa deste post retirei do blogspot https://maryalcantaras.files.wordpress.com/2011/05/asf25c325a9riasdaminhavida.jpg através de pesquisa na internet.
*As informações sobre o filme retirei do site http://www.epipoca.com.br/filmes_detalhes.php?idf=10772, http://www.epipoca.com.br/filmes_filmagem.php?idf=10772, http://www.epipoca.com.br/filmes_trilha.php?idf=10772, http://www.epipoca.com.br/filmes_frases.php?idf=10772 através de pesquisa na internet.
*A curiosidade do filme retirei do site http://www.cinepop.com.br/filmes/ultimasferias.htm através de pesquisa na internet.
*A crítica do filme retirei do site http://www.omelete.com.br/cinema/as-ferias-da-minha-vida/ através de pesquisa na internet.
*O trailer do filme “As Férias da Minha Vida” retirei do site http://youtu.be/qc2NHnLcbJ8 através de pesquisa na internet.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em Cinefilia/Cinéfilo e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s