Rinossinusite atacada…

No período de inverno (junho, julho e agosto) escapei da crise de rinite/sinusite e até agradeço por isso pois estava me preparando/recuperando para (da) a cirurgia plástica reparadora e não podia correr o risco de adoecer e muito menos espirrar, gripar ou tossir (até rir era incomodo)…

Mas como nem tudo é perfeito após quase 44 dias do pós operatório, num belo domingo de setembro, acordei com o nariz e ouvido entupidos… a cabeça pesada… e logo imaginei que a minha sinusite iria atacar…

Nesses últimos dias o clima na minha cidade tem variado muito entre dias frios e dias quentes, o que eu acredito contribuiu para essa atual crise… e por precaução já estou fazendo inalação com vapor de água quente e lavando as narinas com soro fisiológico…

Na segunda-feira entrei em contato com a clínica onde meu otorrino atende para agendar uma consulta, mas ele está de férias e a secretária me indicou outros dois médicos da mesma especialidade, mas que atendem ao meu plano em outras clínicas…

Consegui consulta para o meio da semana…

Após a consulta, a médica me indicou um anti-histamínico e um descongestionante para diminuir os sintomas alérgicos e ajudar a diminuir a congestão nasal.

E para não deixar passar, aproveitei para pesquisar no Dr. Google informações sobre a rinite e a sinusite…

Rinite

Escrito por Redação Minha Vida

O que é Rinite?

O termo rinite é definido como inflamação ou disfunção da mucosa que reveste a cavidade do nariz e seios da face. A condição é caracterizada por sintomas nasais como obstrução, coriza, espirros, coceira ou alterações do olfato, geralmente durando por mais de uma hora, dois ou mais dias consecutivos.

Classificação da rinite

As rinites podem ser classificadas em:

  • Agudas: quando os sintomas duram entre 7 a 10 dias
  • Crônicas: quando sintomas persistem por mais de 3 meses.

Rinite x Sinusite

A rinite é uma inflamação da mucosa do nariz e pode ter várias causas. Um resfriado, por exemplo, não deixa de ser uma rinite, mas do tipo infecciosa.

Mas normalmente quando as pessoas falam em rinite estão se referindo a queixas mais duradouras (ou pelo menos recorrentes) causadas, por exemplo, pela rinite alérgica. Os sintomas mais frequentes da rinite são a coriza (secreção clara que escorre do nariz), os espirros, a coceira no nariz e o nariz entupido.

Já a sinusite é uma inflamação da mucosa que reveste os seios da face (também chamados de cavidades paranasais). Os seios da face são espécies de câmaras de ar que ficam ao redor do nariz, forradas internamente por uma mucosa muito parecida com a do próprio nariz. Essa mucosa que reveste internamente os seios da face produz muco, exatamente como a mucosa do nariz. Esse muco drena para dentro do nariz por pequenos orifícios que comunicam os seios da face com as fossas nasais.

Tipos

A classificação dos tipos de rinite dependem dos critérios empregados: frequência e intensidade dos sintomas, resposta aos tratamentos, e presença de complicações e achados de exames específicos.

A Academia Europeia de Alergia e Imunologia propôs a classificação da constituída por 4 subgrupos:

Rinites infecciosas

A rinite infecciosa é possivelmente o tipo mais comum de rinite. É também conhecido como o resfriado comum ou infecção do trato respiratório superior. Esse tipo de rinite é causado por vírus ou bactérias geralmente autolimitadas (doença que tem um período limitado e determinado). Os resfriados ocorrem quando um vírus frio se instala nas membranas mucosas do nariz e nas cavidades sinusais e causa uma infecção.

Rinite alérgica

A rinite alérgica é uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas que são consideradas estranhas. Essas substâncias são chamadas de alérgenos. O nariz é a porta de entrada para o ar e substâncias carregadas por ele, e tem a função de filtrar as impurezas, além de umidificar e aquecer o ar que vai chegar aos pulmões.

Rinite não alérgica

A rinite não alérgica é uma condição que causa espirros crônicos, congestão ou corrimento nasal. Embora esses sintomas sejam semelhantes aos da rinite alérgica, a rinite não alérgica é diferente porque, ao contrário de uma alergia, não envolve o sistema imunológico. Uma reação alérgica ocorre quando o sistema imunológico reage excessivamente a uma substância inofensiva, conhecida como alérgeno.

Rinite mista

A rinite mista é caracterizada com mais de um agente causador, podendo ser ocasionada por bactérias e vírus ao mesmo tempo.

Causas

A rinite pode ser desencadeada ou agravada pela exposição a microrganismos como vírus, bactérias ou alérgenos (proteínas) que ficam dispersos no ar e penetrarem no epitélio respiratório. Os mais comuns são os oriundos de ácaros da poeira, de baratas, de fungos, pêlos, saliva e urina de animais domésticos, alimentos.

Também atuam como desencadeantes de sintomas da rinite as mudanças bruscas de clima, a inalação de irritantes inespecíficos como odores fortes, gás de cozinha, fumaça de cigarro, poluentes atmosféricos, a inalação de ar frio e seco, além da ingestão de medicamentos antiinflamatórios, em indivíduos predispostos.

Alterações hormonais durante o ciclo menstrual, puberdade, gravidez, menopausa, assim como alterações endócrinas, como hipotireoidismo, também podem estar associadas. Este distúrbio também aparece em outras situações, como no ato sexual.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco da rinite são:

  • Alterações estruturais anatômicas do nariz e seios da face, como desvio do septo nasal e hipertrofia de conchas nasais
  • Exposição alergênica em indivíduos sensibilizados
  • Frequentar ambientes com ar-condicionado sem manutenção
  • Frequentar ambientes com mofo ou poluentes
  • Histórico familiar de rinite
  • Predisposição genética
  • Presença de outras doenças alérgicas como asma, dermatite, conjuntivite
  • Tabagismo
  • Variações súbitas de temperatura e umidade atmosférica.

Sintomas de Rinite

Os sintomas típicos da rinite são:

  • Coriza (secreção) clara e abundante
  • Espirros
  • Obstrução nasal
  • Prurido (coceira) nasal intenso.

Também é possível observar em alguns casos a sangramento nasal (epistaxe), coceira nos olhos e lacrimejamento, podendo ocorrer coceira no conduto auditivo externo, palato (céu da boca) e faringe (garganta).

Buscando ajuda médica

Nos casos agudos, quando na evolução dos sintomas usuais houver piora do quadro com febre, secreção nasal espessa, após o quinto dia de doença ou persistência de sintomas superior a 10 dias. Nos casos crônicos, sempre que houver recidiva dos sintomas após os blocos de tratamento adequados.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a rinite são: (4)

  • Clínico geral
  • Otorrinolaringologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quais são seus sintomas?
  • Quando seus sintomas começaram a aparecer?
  • Os sintomas são ocasionais ou frequentes?
  • Alguma coisa parece melhorar seus sintomas?
  • Você tem alergia a alguma coisa?
  • Você teve contato recente com poeira domiciliar, pólen ou algum alimento específico?
  • Você esteve resfriado recentemente?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para rinite, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual é a causa mais provável dos meus sintomas?
  • Quais testes eu preciso fazer?
  • Minha condição é provavelmente temporária ou duradoura?
  • Que tratamentos estão disponíveis e qual é mais recomendado para mim?
  • Eu tenho outras condições de saúde. Como posso gerenciar melhor essas condições juntos?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Rinite

O processo diagnóstico inclui a história clínica realizada pelo otorrinolaringologista, antecedentes pessoais e familiares de atopia (alergia), exame físico e exames complementares laboratoriais ou de imagem.

Exames

Os exames mais importantes no diagnóstico diferencial das rinites são os testes cutâneos de hipersensibilidade imediata (TCHI) e a avaliação dos níveis séricos de IgE alérgeno-específica. São importantes pela perspectiva de aplicação de medidas preventivas dirigidas, como o controle ambiental, direcionamento do tratamento farmacológico e, pela alternativa da imunoterapia específica (vacinas).

Tratamento de Rinite

O tratamento inicia após o processo diagnóstico diferencial, de maneira a direcionar o tratamento específico a cada subtipo de rinite.

A maior parte dos casos de rinite aguda tem resolução espontânea na primeira semana após seu início, e o tratamento deve ser sintomático, composto por higiene nasal (lavagens ou gotas com solução salina), descongestionantes tópico locais (por poucos dias) ou sistêmicos, analgésicos e antitérmicos, quando necessário.

O tratamento a longo prazo da rinite persistente se baseia no uso adequado da menor dose de medicamentos que mantenham o paciente assintomático.

Corticosteroide tópico nasal, lavagem nasal com soro fisiológico abundante, anti-histamínicos tópicos nasais ou por via oral são utilizados dentro de um esquema a ser individualizado pelo otorrinolaringologista. Além disso, medidas de “higiene ambiental” devem ser tomadas para afastar o nariz dos fatores irritantes, gatilhos para rinite.

Medicamentos para Rinite

Os medicamentos mais usados para o tratamento de rinite alérgica são:

  • Androcortil
  • Allegra
  • Asmofen
  • Avamys
  • Betametasona
  • Betatrinta
  • Broncho-Vaxom
  • Busonid
  • Celestone
  • Cetirizina
  • Celestamine
  • Celerg
  • Celergin
  • Clobutinol + Succinato de Doxilamina
  • Cetoprofeno
  • Claritin
  • Claritin D
  • Decadron
  • Decongex
  • Decongex Plus
  • Desalex
  • Desloratadina
  • Dexametasona
  • Dexclorfeniramina
  • Diprospan
  • Duoflam
  • Ebastel
  • Fumarato de Cetotifeno
  • Fluviral
  • Fumarato de Cetotifeno (xarope)
  • Histadin D
  • Hixizine
  • Loratadina
  • Loratadina + Pseudoefedrina
  • Loratamed
  • Maleato de Dexclorfeniramina (gotas)
  • Maleato de Dexclorfeniramina + Sulfato de Pseudoefedrina + Guaifenesina
  • Multigrip
  • Nasonex
  • Neosoro
  • Omnaris
  • Prednisolona
  • Polaramine
  • Prednisona.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Rinite tem cura?

A rinite aguda, causada por questões circunstanciais irritantes ou hormonais, é curada com tratamento.

Já a rinite persistente, alérgica ou não alérgica, não possui cura. Portanto, o tratamento consegue reduzir a frequência e intensidade dos sintomas e, na maioria dos casos, manter o paciente assintomático e sem alterações da qualidade de vida.

Complicações possíveis

Rinite pode levar a outros problemas de saúde, como:

  • Otite
  • Sinusite
  • Roncos (pelo entupimento do nariz)
  • Problemas de sono
  • Conjuntivites.

Convivendo/ Prognóstico

Assumindo a questão como uma doença que pode ser prevenida e tratada. Há necessidade de adaptação individual ao clima, ambiente de trabalho e domiciliar. Assim como manter acompanhamento com seu médico de confiança e seguir a prescrição.

Siga à risca as orientações médicas para tratamento contra rinite. Não interrompa o tratamento – a não ser que o especialista o oriente neste sentido.

Prevenção

Existem medidas que fazem parte do tratamento da rinite por meio de evitar que fatores irritantes e alergênicos entrem em contato com a mucosa nasal. Chamamos esse conjunto de medidas de Higiene Ambiental e são as seguintes conforme o IV CONSENSO BRASILEIRO SOBRE RINITES de 2017:

Arrumar o quarto

O quarto de dormir deve ser preferentemente bem ventilado e ensolarado. Evitar travesseiro e colchão de paina ou pena. Use os de espuma, fibra ou látex, sempre que possível envoltos em material plástico (vinil) ou em capas impermeáveis aos ácaros. O estrado da cama deve ser limpo duas vezes por mês. As roupas de cama e cobertores devem ser trocadas e lavadas regularmente com detergente e a altas temperaturas (>55ºC) e secadas ao sol ou ar quente. Se possível a superfície dos colchões deve ser aspirada empregando-se um modelo potente de aspirador doméstico.

Evitar itens que acumulam poeira

Evitar tapetes, carpetes, cortinas e almofadas. Dar preferência a pisos laváveis (cerâmica, vinil e madeira) e cortinas do tipo persianas ou de material que possa ser limpo com pano úmido. No caso de haver carpetes ou tapetes muito pesados, de difícil remoção, os mesmos devem ser aspirados se possível duas vezes por semana após terem sido deixados ventilar.

Evitar bichos de pelúcia, estantes de livros, revistas, caixas de papelão ou qualquer outro local onde possam ser formadas colônias de ácaros no quarto de dormir. Substitua-os por brinquedos de tecido para que possam ser lavados com frequência.

Identificar e eliminar o mofo e a umidade, principalmente no quarto de dormir, reduzindo a umidade a menos de 50%. Verifique periodicamente as áreas úmidas de sua casa, como banheiro (cortinas plásticas do chuveiro, embaixo das pias, etc.). A solução diluída de água sanitária pode ser aplicada nos locais mofados, até sua resolução definitiva, mesmo porque são irritantes respiratórios. É essencial investigar outras fontes de exposição aos fungos fora do domicílio (creche, escola e locais de trabalho).

Local da cama e berço

Camas e berços não devem ser justapostos à parede. Caso não seja possível, coloque-a junto à parede sem marcas de umidade ou a mais ensolarada.

Evitar o uso de vassouras, espanadores e aspiradores de pó comuns

Passar pano úmido diariamente na casa ou usar aspiradores de pó com filtros especiais 2x/semana. Afastar o paciente alérgico do ambiente enquanto se faz a limpeza.

Evitar ambientes fechados

Ambientes fechados por tempo prolongado (casa de praia ou de campo) devem ser arejados e limpos pelo menos 24 horas antes da entrada dos indivíduos com alergia respiratória.

Remover o lixo

Remover o lixo e manter os alimentos fechados e acondicionados, pois estes fatores atraem os roedores. Não armazenar lixo dentro de casa.

Usar sabão em pó

Dar preferência às pastas e sabões em pó para limpeza de banheiro e cozinha. Evitar talcos, perfumes, desodorantes, principalmente na forma de sprays.

Não fumar

Não fumar e nem deixar que fumem dentro da casa e do automóvel. O tabagismo pré-natal, perinatal e pós-natal está associado a problemas respiratórios futuros na prole.

Não tomar banho quente

Evitar banhos extremamente quentes e oscilação brusca de temperatura. A temperatura ideal da água é a temperatura corporal.

Limpar o ar-condicionado

Manter os filtros dos aparelhos de ar condicionado sempre limpos. Se possível limpe-os mensalmente. Evitar a exposição à temperatura ambiente muito baixas e oscilações bruscas de temperatura. Lembrar que o ar condicionado é seco e pode ser irritante.

Referências

Ministério da Saúde

Asthma and Allergy Foundation of America

American Academy of Allergy Asthma & Immunology

Mayo Clinic

Arturo Carpes, otorrinolaringologista da Rede de Hospitais são Camilo de São Paulo

Fernando Kaoru Yonamine, otorrinolaringologista do Hospital Santa Cruz (HSC)

Krishnamurti Sarmento Junior, otorrinolaringologista, CRM 16937/DF

Sinusite

Dores na cabeça e no rosto indicam doença respiratória

Escrito por Redação Minha Vida

O que é Sinusite?

Sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. A doença pode ser secundária a uma infecção, quadro alérgico ou qualquer fator que atrapalhe a correta drenagem de secreção dos seios da face. O nome mais utilizado para esse problema é rinossinusite, pois o processo inflamatório atinge tanto a mucosa dos seios da face como a mucosa nasal.

Convivendo (prognóstico)

Tipos

Existem dois tipos de sinusite. A sinusite pode ser:

  • Aguda: quando os sintomas estão presentes por um período inferior a 12 semanas
  • Crônica: quando o inchaço e a inflamação dos seios nasais estão presentes por mais de 12 semanas.

Visão Geral

Causas

A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Poeira, choque térmico e cheiros ativos são listados como desencadeadores da rinopatia alérgica. Exposição a determinados agentes químicos e alterações na anatomia nasal ou dos seios da face fazem parte do outro grupo de responsáveis pela sinusite. Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a presença de um tumor.

Getty Images

Getty Images

Fatores de risco

As causas mais comuns de sinusite crônica incluem:

  • Alergias: outras doenças alérgicas, como asma e rinite, podem favorecer um quadro de sinusite. A inflamação que ocorre com as alergias podem bloquear seus seios nasais
  • Alterações de altitude (voar ou mergulhar)
  • Células do sistema imunológico: em certas condições de saúde, as células do sistema imunológico chamadas eosinófilos pode causar inflamação dos seios
  • Desvio de septo nasal: quando a parede entre as narinas não está alinhada, pode haver restrição ou bloqueio das passagens no seio nasal
  • Doenças que afetam a imunidade: complicações de fibrose cística, refluxo gastroesofágico, AIDS e outras doenças relacionadas com o sistema imunológico podem resultar na obstrução nasal
  • Doenças que impedem que os cílios dos seios nasais se movam adequadamente, como a síndrome de Kartagener ou a síndrome dos cílios imóveis
  • Infecções odontológicas que causem obstrução dos seios nasais.
  • Infecções respiratórias: gripe, resfriado e outras doenças do trato respiratório podem inflamar e engrossar as membranas sinusais, bloqueando a drenagem de muco e criando condições favoráveis para o crescimento de bactérias. Essas infecções podem ser virais, bacterianas ou por fungos
  • Pólipos nasais: crescimentos de tecido na área que podem bloquear as passagens nasais ou seios
  • Reações alérgicas: a sinusite pode ser causada pela exposição do paciente à substância transportada pelo ar, como ácaros e poeira, poluição, pólen, mofo, pelos de animais, fumaça de cigarro e partículas de insetos. Substâncias químicas como tinta, desinfetantes e produtos de limpeza também podem desencadear o quadro
  • Tabagismo
  • Trauma na face: um osso facial fraturado ou quebrado pode causar obstrução das vias nasais

Sintomas de Sinusite

A sinusite crônica e sinusite aguda têm sinais e sintomas semelhantes, mas a sinusite aguda é uma infecção temporária dos seios muitas vezes associada a um resfriado. Já a rinossinusite crônica corresponde a um processo inflamatório com duração prolongada (maior que 12 semanas) podendo ainda ser classificada em rinossinusite crônica com polipose e rinossinusite crônica sem polipose. Para o diagnóstico de rinossinusite crônica devemos ter dois ou mais dos seguintes sinais:

Obstrução nasal ou secreção nasal associados a pelo menos um dos sintomas:

  • Associado a alterações tomográficas ou evidenciadas por exame de videonasofibroscopia
  • Pressão ou dor facial
  • Redução ou perda do olfato
  • Com duração maior que 12 semanas.
Minha Vida

Outros sinais e sintomas podem incluir:

  • Dor de ouvido
  • Dores no maxilar superior e dentes
  • Fadiga ou irritabilidade
  • Garganta inflamada
  • Mau hálito (halitose)
  • Náusea.
  • Tosse, que pode ser pior durante a noite

Os sinais e sintomas de sinusite crônica são semelhantes à sinusite aguda, exceto que eles duram mais tempo e muitas vezes causam mais fadiga. Febre não é um sinal comum de sinusite.

Diferencie os sintomas da rinite e sinusite

A maioria das pessoas acredita ter rinite e sinusite. Apesar de existir algumas diferenças entre as duas, a rinite pode desencadear uma sinusite. De certa forma, para a maior parte do público a diferença entre elas é um pouco confusa.

De forma simplificada, a rinite ataca apenas o nariz, já a sinusite se espalha para os seios da face (cavidades dentro do rosto que armazenam ar e ficam nas maçãs do rosto, atrás do olhos e no centro da testa).

Os principais sintomas da rinite são coriza, espirros, coceira no nariz e nariz entupido. A sinusite, por outro lado, pode causar tosse, dor de cabeça, na testa e entre os olhos.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Caso você apresente algum desses sintomas procure um otorrinolaringologista. O especialista poderá te ajudar com a doença e saberá te diagnosticar da melhor maneira possível.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a sinusite são:

  • Clínico geral
  • Otorrinolaringologista
  • Pediatra.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando seus sintomas começaram?
  • Seus sintomas são contínuos ou ocasionais?
  • Alguma coisa parece melhorar seus sintomas?
  • Alguma coisa parece piorar seus sintomas?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para sinusite, algumas perguntas básicas incluem:

  • O que está causando os meus sintomas ou condição?
  • Além dessas, quais são as outras causas possíveis para os meus sintomas?
  • Que tipos de testes que eu preciso fazer?
  • Como devo agir de agora em diante?
  • Tenho outras condições ou doenças, como posso tratar todas juntas?
  • Existem restrições que eu preciso seguir?
  • Devo consultar outro especialista?
  • Existe uma alternativa genérica para o medicamento que você está prescrevendo?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Sinusite

Você pode ter vários episódios de sinusite aguda com duração menor que 12 semanas antes de desenvolver sinusite crônica. Você pode ser encaminhado para otorrinolaringologista para avaliação e tratamento.

Agende uma consulta com seu médico se:

  • Você tem quadros de sinusite aguda constantes que não respondem ao tratamento
  • Você tem sintomas de sinusite que duram mais de sete dias
  • Seus sintomas não melhorarem depois de consultar o seu médico.

O médico irá examinar seus seios nasais, olhos, ouvidos, nariz e garganta. Esteja preparado para responder perguntas detalhadas sobre seus sintomas. O médico pode querer saber:

  • Quais os sintomas você tem
  • Quando os sintomas começaram
  • O que parece melhorar ou piorar os sintomas
  • Se você tem ou teve uma infecção respiratória recentemente
  • Se você tem alergias
  • Se você fuma, está exposto ao fumo passivo ou a outros agentes alérgenos
  • Quais os medicamentos que toma, incluindo fitoterápicos e suplementos
  • Quaisquer outros problemas de saúde que você tem.

Alguns exames podem ajudar no diagnóstico de sinusite:

Endoscopia nasal

Um tubo fino e flexível (endoscópio) com uma luz de fibra óptica na ponta é introduzido pelo nariz, possibilitando ao médico inspecionar visualmente o interior de seus seios nasais. Isso também é conhecido como rinoscopia.

Exames de imagem

Tomografias computadorizadas (TC) e podem mostrar detalhes de seus seios e área nasal. Eles podem identificar uma inflamação profunda ou obstrução física que é difícil de detectar usando um endoscópio. Além disso, esses exames avaliam a anatomia dos seios nasais, podendo indicar a necessidade de cirurgia. RX de seios da face não permitem uma avaliação adequada dos quadros de rinossinusite.

Culturas nasais

São geralmente desnecessários para o diagnóstico de sinusite crônica. No entanto, nos casos em que a condição não responde ao tratamento, analisar os tecidos nasais pode ajudar a identificar a causa, como bactérias ou fungos. Examinar os cílios nasais e se eles funcionam corretamente também é uma opção.

Testes de alergia

Se o médico suspeitar que a doença seja causada por alergias, um teste de alergia de pele pode ser recomendado. São exames que ajudam a identificar o alérgeno responsável por sua sinusite.

Outros exames

O médico também pode pedir exames de sangue, para detectar doenças que afetam a imunidade, e exames de cloro no suor, para detectar fibrose cística.

Tratamento de Sinusite

Alguns tratamentos são recomendados para ajudar a aliviar os sintomas da sinusite. Estes incluem:

Antibióticos

Os antibióticos são necessários para sinusite se você tiver uma infecção bacteriana. No entanto, a sinusite crônica é muitas vezes causada por algo diferente de bactérias, por isso, os antibióticos nem sempre ajudam. Na dúvida, converse com o médico.

Corticoides nasais

Sprays nasais ajudam a prevenir e tratar a inflamação. Exemplos incluem fluticasona, budesonida, triamcinolona, mometasona e beclometasona. Você pode precisar usar esses medicamentos durante vários dias ou semanas antes que eles atinjam o seu máximo benefício. Ao contrário de corticosteroides orais, esses medicamentos têm um risco relativamente baixo de efeitos colaterais e são geralmente seguros para uso contínuo, uma vez que agem diretamente nos sinos nasais, em vez de passarem primeiro pela corrente sanguínea.

Corticosteroides orais ou injetáveis

Estes medicamentos são utilizados para aliviar a inflamação de sinusite grave, especialmente se você também tem pólipos nasais. Exemplos incluem a prednisona e a metilprednisolona. Corticosteroides orais podem causar sérios efeitos colaterais quando usados durantes longos períodos, por isso eles são indicados apenas para tratar sintomas graves.

Descongestionantes

Estes medicamentos estão disponíveis nas farmácias em forma de comprimidos, líquidos ou sprays nasais. Esses medicamentos são geralmente ministrados por alguns dias no máximo, caso contrário podem causar efeito rebote, levando ao aparecimento de um congestionamento mais grave.

Solução salina

A mistura de água e sal ajuda a dissolver as secreções nasais. Você pode inalar a solução salina ou pingá-la em seu nariz. O ideal é misturar uma colher de chá de sal para cada litro de água.

Cirurgias para Sinusite

Nos casos em que a sinusite resiste ao tratamento, a cirurgia endoscópica pode ser uma opção. Para esse procedimento, o médico utiliza um endoscópio (tubo fino e flexível com uma luz ligada na ponta) para explorar suas passagens nasais. Então, dependendo da fonte de obstrução, o médico pode utilizar vários instrumentos para remover o tecido ou raspar um pólipo que está causando a obstrução nasal. Ampliar a abertura do seio estreito também pode ser uma opção.

Medicamentos para Sinusite

Os medicamentos mais usados para o tratamento da sinusite são:

  • Acetilcisteina
  • Afrin
  • Amoxilina
  • Amoxicilina + Clavulanato de Potássio
  • Ampicilina Sódica
  • Arflex
  • Astro
  • Avalox
  • Azitromicina
  • Bactrim
  • Bi Profenid
  • Broncho-Vaxom
  • Bacteracin e Bacteracin-F
  • Cefanaxil
  • Claritromicina
  • Clindamin-C
  • Ceclor
  • Cefaclor
  • Cefadroxila
  • Cefalexina
  • Cetoprofeno
  • Ceftriaxona Dissódica
  • Ceftriaxona Sódica
  • Clavulin
  • Clindamicina
  • Ciprofloxacino
  • Hincomox
  • Leucogen
  • Levofloxacino
  • Nasonex
  • Novamox 2x
  • Paracetamol Cafeina
  • Tylenol Sinus.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Sinusite tem cura?

As infecções nos seios nasais, em geral, são curáveis com medidas de autocuidado e tratamento médico aplicado. Se você tiver ataques recorrentes, deve verificar se existem causas subjacentes como pólipos nasais ou outros problemas como alergias.

Complicações possíveis

Embora sejam muito raras, as complicações da sinusite podem incluir:

  • Abscesso
  • Infecção óssea (osteomielite)
  • Infecção em região de órbita pálpebras
  • Meningite.

Consulte um médico imediatamente se tiver sintomas que podem ser um sinal de uma infecção grave:

  • Confusão
  • Dor ou inchaço ao redor dos olhos
  • Falta de ar
  • Febre
  • Forte dor de cabeça
  • Testa inchada
  • Torcicolo
  • Visão dupla ou outras alterações na visão

Convivendo/Prognóstico

A sinusite pode ser um desafio estressante. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar:

Beba água

A ingestão de água fluidifica todas as secreções do corpo e, por isso, é uma medida essencial para quem deseja combater a sinusite. Quando uma pessoa apresenta um quadro de sinusite, as secreções geralmente estão mais concentradas, o que dificulta sua eliminação. Beber bastante líquido ganha ainda mais importância no caso da sinusite causada por vírus e bactérias. Isso porque o processo infeccioso pode causar febre, aumentando a sudorese e a perda de água. Repor essa quantia perdida é fundamental para o bom funcionamento do organismo.

Controle as doenças relacionadas

Alergias e a doença do refluxo gastroesofágico podem provocar ataques de asma. Se esse for o seu caso, tente tratar esses problemas antes de tratar a asma.

Diminua o ritmo

Faça pausas entre as tarefas e evite atividades que pioram os seus sintomas. Se achar melhor, faça uma lista diária de tarefas – isso pode ajudar a evitar que você se sobrecarregue. Você pode criar recompensas para a realização de objetivos simples.

Desligue o ar condicionado

O ar condicionado consegue unir três problemas em um só equipamento. Ele retira a umidade do ar, deixa o ambiente frio e ainda pode favorecer a concentração de poluentes se não for submetido à limpeza regular. Por isso, sempre que possível, desligue o aparelho. Ele também costuma piorar quadros de rinite alérgica pelos mesmos motivos.

Durma com a cabeça elevada

A melhor posição para dormir é com a cabeça para cima. Dessa forma, ajudará a drenagem dos seus seios faciais, reduzindo o congestionamento.

Elimine alérgenos do ambiente

Quem sofre de alguma alergia respiratória sabe: basta entrar em contato com pó, pelo ou seja qual for o alérgeno e já começam os espirros, a coceira nos olhos e o inchaço das estruturas nasais. Esta última reação, entretanto, pode ser determinante na evolução para um quadro de sinusite. Com o nariz bloqueado, o paciente tem dificuldade de respirar e até de assoar o nariz, favorecendo o acúmulo de secreções. O especialista reforça que quem sofre de sinusite deve primeiramente tratar a rinite alérgica – e parte do tratamento consiste em afastar da rotina os fatores que causam as crises.

Evite seus gatilhos

Tomar medidas para reduzir a sua exposição a coisas que provocam sintomas de sinusite é uma parte fundamental do controle da doença. Manter a casa sempre limpa, evitar o acúmulo de poeira e deixar algumas atividades de lado podem ajudar a prevenir uma crise.

Faça lavagem nasal

A prática deveria estar na rotina mesmo daqueles que não sofrem de sinusite, pois reduz o risco de problemas respiratórios e alivia dores de cabeça. Para quem é vítima da sinusite, a lavagem nasal deve ser obrigatória. Ela deixa as secreções concentradas nos seios nasais mais líquidas, facilitando a drenagem. O especialista recomenda o uso de soro fisiológico na versão spray para evitar que vírus ou bactérias contaminem o interior do produto, o que pode acontecer com o uso da versão tradicional.

Vale lembrar que a frequência da lavagem depende da necessidade do paciente. Ela deve ser feita no mínimo três vezes por dia ou sempre que o paciente sentir dificuldade de eliminar secreções nasais.

Fique longe do cigarro

O tabagismo é altamente irritante para o nariz porque prejudica o batimento ciliar, que é o movimento de pequenos pelos que drenam as secreções da cavidade nasal. Desta maneira, a fumaça dificulta a limpeza e favorece a concentração de secreções, o que pode levar à sinusite. O fumo passivo é especialmente prejudicial para crianças, pois têm cavidades nasais menores que facilmente podem ficar congestionadas. O mesmo acontece quando respiramos um ar com muita poluição.

Inale vapor

O ressecamento das mucosas nasais favorece o acúmulo de impurezas. Isso cria um ambiente ideal para a proliferação de micro-organismos que podem causar uma infecção e, consequentemente, levar a um quadro de sinusite. Por isso, a inalação de vapor é um método de evitar o problema, já que promove a limpeza das vias aéreas. Além disso, o hábito fluidifica o catarro acumulado, facilitando a sua eliminação.

Proteja-se do frio

O nariz é responsável por aquecer, umedecer e filtrar o ar. A respiração costuma ficar um pouco mais difícil em temperaturas baixas, já que é necessário reter o ar por mais tempo na cavidade nasal para que seja aquecido antes de chegar aos pulmões. O problema é que a mudança brusca de um ambiente quente para um ambiente frio pode paralisar – ainda que temporariamente – o funcionamento do batimento ciliar, que faz esse trabalho de aquecimento. Com essa função suspensa, há um risco maior de acúmulo de secreções que podem levar à sinusite. Por isso, antes de sair à rua, proteja boca e nariz com um lenço ou um cachecol, evitando a entrada direta de ar gelado.

Remédios caseiros para sinusite

Alguns remédios caseiros ajudam a reduzir os sintomas de sinusite, melhorando a congestão nasal, como:

  • Chá de camomila
  • Cloreto de magnésio
  • Inalação com cebola fervida.
  • Nebulização com eucalipto, água e sal
  • Suco de espinafre

Prevenção

A melhor forma de prevenir a sinusite aguda é manter a mucosa nasal hidratada, tratar a rinite alérgica, procurar um médico para acompanhar gripes e resfriados:

Beba água

Uma boa hidratação pode prevenir a ocorrência de infecções. Deve-se ingerir cerca de dois litros de água por dia para permitir uma boa hidratação das mucosas. O uso de soro fisiológico insuflado ou inalado também melhora a drenagem da secreção, dos micro-organismos e das impurezas do nariz ao estômago.

Evite o jejum

Passar muitas horas sem se alimentar é prejudicial ao organismo em qualquer situação, e não somente durante um episódio de gripe. Isso porque o organismo passa a trabalhar em estado de alerta, priorizando a manutenção das funções vitais; e, com isso, o combate a infecção torna-se secundário e ineficiente.

Lave as mãos

Nossas mãos estão sempre propensas a entrar em contato com o vírus da gripe e outros diversos agentes alergênicos. Por isso devemos sempre lavá-las antes de manusear alimentos, levá-las a boca ou aos olhos e sempre que chegar em casa ou no trabalho, depois de dirigir ou usar transporte público.

Tenha uma alimentação saudável

Manter uma dieta que inclui todos os grupos alimentares é fundamental para fortalecer a imunidade. Proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e sais minerais não podem faltar na dieta diária de ninguém.

De acordo com pesquisas, os micronutrientes essenciais para o fortalecimento da imunidade são as vitaminas A, B6, B12, C, D, E, ácido fólico, zinco, ferro, selênio e cobre. Eles restauram a proteção contra infecções, fortalecem as células do sistema imunológico e aumentam a produção de anticorpos.

Uma alimentação fracionada, com cinco a seis refeições ao dia e a presença de todos os grupos alimentares, não só protege o sistema imunológico contra gripes e outras infecções, como também auxilia na manutenção do peso ideal e na qualidade de vida em geral.

Outras dicas para controlar episódios de sinusite aguda e crônica incluem:

Agasalhe-se

É normal que, ao passar de um ambiente fechado para um externo, com ar frio, o alérgico logo apresente reações do sistema respiratório, como espirros e inchaço nasal. Por isso, o ideal é sempre sair de casa bem agasalhado e com um cachecol ou lenço cobrindo o nariz para que o ar gelado não entre em contato direto com ele.

Apague o cigarro

Cigarro é prejudicial para todas as pessoas, mas para o alérgico ele pode ser ainda mais destrutivo. O fumo favorece a evolução de alergias respiratórias e asma. A peculiaridade do inverno em relação ao seu uso é o fato de a estação tornar ainda mais evidente essa piora, uma vez que a estação costuma ser caracterizada pelo ar seco e pela poluição concentrada. Alérgicos fumantes têm grandes chances de se tornarem futuros portadores da asma, e a permanência do hábito fará com que as crises fiquem cada vez mais fortes e mais difíceis de serem tratadas.

Aposte na higiene

Mofo, pelos de animais, insetos, ácaros e poeira domiciliar devem ser cuidadosamente eliminados. É importantíssimo que a roupa de cama seja lavada semanalmente e secada ao sol. Também é recomendado o uso de fronhas e capas de colchão antiácaros, que diminuem a possibilidade de crises. O carpete deve ser substituído por outros tipos de piso, tapetes devem ser retirados do quarto e umidificadores devem ser banidos, já que a umidade favorece o aparecimento de alguns alérgenos.

Cuide do pet

Se o contato com animais não te faz bem, seria aconselhável, no mínimo, não tê-los na sua própria casa. Mas, se isso está fora de cogitação, pelo menos não deixe que ele entre ou durma no seu quarto. Outra medida importante é dar banho no animal pelo menos uma vez a cada duas semanas. O local em que o pet permanece a maior parte do tempo deve ser limpo toda semana.

Evite cheiros fortes

Velas, sprays aromatizadores e essências. Esses produtos podem até deixar sua casa perfumada, mas são um perigo para quem tem sinusite. Cheiros fortes e fumaça irritam as vias aéreas e podem desencadear crises de asma. Se você é ou tem algum familiar asmático, elimine todos esses produtos ou, pelo menos, opte por versões que não possuem aroma.

Pratique exercícios físicos

Exagerar no exercício pode afetar os órgãos envolvidos na respiração e desencadear crises de sinusite. Entretanto, a prática de atividade física é muito importante para controlar doenças respiratórias. Qualquer atividade aeróbia promove a melhora do sistema cardiorrespiratório, diminuindo o número de crises. Os exercícios devem ser iniciados de forma lenta e constante, aumentando aos poucos a intensidade da atividade para evitar alguma possível crise ou falta de ar.

Bruno Loredo, otorrinolaringologista do Hospital Santa Luzia, em Brasília

Gilberto Ulson Pizarro, otorrinolaringologista do Hospital Paulista de Otorrinolaringologia

Marco Jorge dos Santos, otorrinolaringologista da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF)

Reginaldo Fujita, otorrinolaringologista da Unifesp

*A imagem ilustrativa deste post retirei do site http://cdn3.saudicas.com.br/wp-content/uploads/2014/05/sintoma-de-sinusite-620×413 através de pesquisa na internet.
*As informações sobre a “rinite” retirei do site https://www.minhavida.com.br/saude/temas/rinite através de pesquisa na internet.
*As imagens e informações sobre a “sinusite” retirei do site https://www.minhavida.com.br/saude/temas/sinusite através de pesquisa na internet.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em Saúde e Bem-Estar e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.