BEDA | 50 séries imperdíveis para ver na Netflix

Ah… estou numa fase de pós-operatório com recomendação médica de fazer repouso e aproveitei para maratonar vários seriados no Netflix e ao pesquisar títulos imperdíveis para assistir nesses últimos meses me deparei com essa lista (já disse que curto muito uma lista?!) e é claro que não posso deixar de compartilhá-la aqui no blog…

Algumas das indicações deles eu já assisti (tem post aqui no blog na categoria seriados)…

E não deixe de me contar nos comentários quais séries você já assistiu (ou quais você me recomenda)…

50 séries imperdíveis para ver na Netflix

ZH elencou séries imperdíveis entre clássicas e revelações para ajudar você a escolher sua próxima maratona

Escolher uma nova série à qual dedicar longas (e maravilhosas) horas da sua vida é uma arte dominada por poucos. Para ajudar, ZH fez uma seleção com 50 séries para você assistir que estão disponíveis na Netflix. Guarde nos favoritos do navegador, mande o link para os amigos e divirta-se.

1. Grey’s Anatomy

O dia a dia de um hospital recheado com bons dramas pessoais da equipe de médicos. A trama gira em torno da cirurgiã Meredith Grey (Ellen Pompeo) e seus conflitos com familiares, amigos e pacientes. Principal série da superprodutora Shonda Rhimes – e uma das mais longas produções americanas dos últimos anos –, está na 13ª temporada (no Brasil, exibida pelo canal pago Sony). 12 primeiras estão disponíveis.

2. How to Get Away with Murder

Thriller de suspense jurídico sobre um grupo de estudantes de direito e sua professora, a brilhante advogada criminal Annalise Keating, papel de Viola Davis (pelo qual ganhou o Emmy em 2015). Ela vê sua vida mudar quando, junto com seus alunos, se envolve em uma trama de assassinato. Duas temporadas disponíveis.

3. Orange Is the New Black

JoJo Whilden / Netflix,divulgação
JoJo Whilden / Netflix,divulgação

Ora comédia, ora drama, essa produção original da Netflix conquistou público e crítica ao mostrar a vida das detentas da Penitenciária de Litchfield. A trama parte da história verídica de Piper (Taylor Schilling), uma mulher condenada por tráfico de drogas após transportar uma mala de dinheiro a pedido da ex- namorada, Alex Vause (Laura Prepon). As duas acabam se reencontrando na cadeia, mas a trama delas é complementada com as boas histórias das demais detentas, com destaque para Crazy Eyes (Uzo Aduba), Red (Kate Mulgrew) e Tastee (Danielle Brooks). Quatro temporadas.

4. Cara Gente Branca

Baseada no aclamado filme independente homônimo, esta série satiriza a “América pós-racial”.  A atração causou polêmica em sua estreia no ano passado por mostrar o cotidiano de uma das mais refinadas universidades norte-americanas e as situações de racismo que alunos negros são obrigados a enfrentar. A série aborda temas como apropriação cultural, relacionamentos, amizades, normas de gênero, bots racistas, teorias da conspiração, Jesus, maconha e muitos outros. 2 volumes.

5. Samantha

 Terceira série produzida pela Netflix no Brasil. Cantora e apresentadora infantil nos anos 1980, Samantha (Emanuelle Araújo) se agarra ao pouco que resta de sua fama enquanto cria planos mirabolantes para voltar ao estrelato. Série tem produção-executiva de Alice Braga.

6. Stranger Things

Jackson Lee Davis / Netflix,Divulgação
Jackson Lee Davis / Netflix,Divulgação

Resgatando elementos dos clássicos filmes dos anos 1980 – em especial, os de terror, sci-fi e suspense –, Stranger Things conta, em oito episódios, a história da busca por um garoto que desapareceu sem deixar rastros e em circunstâncias suspeitas. Explorando fenômenos sobrenaturais que envolvem o sumiço de Will Bayers (Noah Schnapp), a produção recria o ambiente de 1983 em uma cidadezinha de Indiana, nos Estados Unidos. Os amigos de Will decidem não esperar pela polícia e embarcam em uma aventura para encontrá-lo.

7. Black Mirror

Desde que foi apresentada, em 2011, a série britânica Black Mirror vem pautando discussões sobre a fidelidade ou o exagero com que retrata um futuro bastante próximo, no qual a tecnologia, em meio às tantas benesses que proporciona, submete as pessoas a uma perigosa relação de passividade e dependência. O registro de uma distopia à vista, com um mundo habitado por zumbis eletrônicos ou cobaias à mercê de corporações com interesses nefastos, ganhou ainda mais visibilidade sob a chancela da Netflix. Leia maisQuatro temporadas.

8. The Killing

The Killing (2011 – 2014) é uma exceção à regra de que a versão americana nem sempre tem a força da produção de seu país original – no caso a dinamarquesa Forbrydelsen. Convocados a elucidar o assassinato de uma adolescente, os policiais Sarah Linden (Mireille Enos) e Stephen Holder (Joel Kinnaman, o novo RoboCop) têm de encarar uma família dilacerada e os poderosos da cidade. E, enquanto isso, lidar com seus próprios demônios. Graças à devoção dos fãs, após três temporadas da AMC, a série ganhou uma quarta, desta vez pela Netflix. Quatro temporadas.

9. Dark

Primeira produção alemã do serviço de streaming, esta série ganhou o apelido de “Stranger Things da Alemanha”. A trama gira em torno do desaparecimento de uma criança, o que acaba abalando a vida de quatro famílias de uma pequena cidade. O que eles não esperavam é que as respostas para o sumiço podem se encontrar no passado e em acontecimentos sobrenaturais. Uma temporada disponível.

10. Suits

Um grande escritório de Nova York que só contrata advogados formados em Harvard é o cenário desta série. Quando o talentoso e arrogante Harvey Specter (Gabriel Macht) precisa encontrar um assistente, o melhor que aparece é Mike Ross (Patrick J. Adams), um jovem gênio que nunca cursou uma faculdade. Juntos, os dois precisam trabalhar não apenas para vencer seus casos nos tribunais, mas também para manter o segredo intacto. Sete temporadas.

11. Friends

Um dos maiores fenômenos da TV, a sitcom sobre seis amigos de 20 e tantos anos que moravam em Nova York, dividindo as alegrias e as barras de quem busca um lugar ao sol no mundo adulto, teve 10 temporadas. Todas com sucesso: o derradeiro episódio, por exemplo, foi visto por cerca de 52,5 milhões de americanos. 10 temporadas.

12. Narcos

Criada por José Padilha e estrelada por Wagner Moura, a primeira temporada da série em 10 episódios conta o surgimento do Cartel de Medellín e a ascensão do traficante colombiano Pablo Escobar (1949 – 1993), um dos criminosos mais poderosos da história. Três temporadas disponíveis na Netflix – que também oferece a boa minissérie colombiana Pablo Escobar, el Patrón del Mal.

13. House of Cards

Uma das mais festejadas séries dramáticas deste século 21 , traz Kevin Spacey como um inescrupuloso parlamentar americano em sua escalada rumo ao topo do poder. Ele faz qualquer coisa – qualquer coisa mesmo – para chegar lá, e ainda conversa com a câmera como se o espectador fosse um confidente. Foi a primeira produção própria da Netflix a ser aclamada por público e crítica. Cinco temporadas.

14. The Walking Dead

As clássicas histórias de terror com zumbis readaptadas em um grande clássico recente. Desde que estreou, em 2010, The Walking Dead chamou a atenção pelo enredo que não deixa o espectador escapar, a cenografia e os efeitos estéticos que deixam os mortos-vivos perfeitos e as atuações intensas de todos os protagonistas. É uma das séries mais populares dos últimos tempos e segue no ar, na sétima temporada pelo canal pago Fox. Seis temporadas.

15. Alias Grace

Baseada na obra homônima de Margaret Atwood, acompanha uma jovem irlandesa condenada muda-se para o Canadá para trabalhar como empregada doméstica e é condenada pelo assassinato de seu patrão e da governanta da casa. Passados 16 anos do caso, um psiquiatra tenta desvendar o mistério e descobrir a verdade por trás da história. Uma temporada disponível.

16. Demolidor

O herói dos quadrinhos não é um dos mais importantes da Marvel, e o filme com Ben Affleck (Demolidor: o Homem sem Medo) foi muito criticado, mas a série produzida para a Netflix é bem amarrada, tem belos cenários e conta com a boa atuação do quase desconhecido Charlie Cox no papel de Matt Murdock, o advogado cego que salva vidas nas horas vagas. Duas temporadas.

17. Unbreakable Kimmy Schmidt

Uma garota é salva após viver anos em um bunker, mantida por um pastor devido a um falso apocalipse. A personagem da atriz Ellie Kemper vai então morar em Nova York e não tira mais o sorriso de satisfação do rosto. Ela ganha a companhia de Titus, um ator iniciante, Lillian, dona do local onde vai morar, e Jacqueline, uma patroa meio maluca – formando uma trupe que garante boas risadas. Quatro temporadas.

18. Weeds

Mary-Louise Parker vive uma mãe de família que, após a morte do marido, torna-se a principal traficante de drogas de uma pequena cidade da Califórnia. Ela precisa conciliar os desafios de ser mãe solteira de dois filhos e manter-se despercebida pelas autoridades locais.  Oito temporadas.

19. The End of the F***ing World

Acostumado a matar animais, James decide dar um passo importante: matar, pela primeira vez, uma pessoa. Como candidata, ele escolhe Alyssa, uma impetuosa garota que entra em sua vida. Antes que o plano do rapaz seja executado, os dois descobrem que têm mais em comum do que imaginavam e resolvem partir em uma aventura, deixando para trás os pais e a escola. No meio do caminho, incidentes ocorrem e a dupla acaba se metendo em uma bola de neve de problemas. Uma temporada disponível.

20. La Casa de Papel

Esta série espanhola tornou-se sensação entre os usuários brasileiros da Netflix. A trama acompanha um grupo de oito assaltantes que resolvem tomar a Casa da Moeda de Madri para um dos maiores roubos da história. Comandados por um líder que orquestra tudo dos bastidores, os bandidos passam dias no local, em uma longa negociação com a polícia.

21. Breaking Bad

Narra a saga de um professor de química fracassado que descobre ter câncer e passa a vender metanfetamina para pagar pelo tratamento – e deixar algum dinheiro para a mulher e o filho. Com uma atuação histórica de Bryan Cranston, a trama cresce a cada episódio e deixa o espectador quase sem fôlego ao mostrar a ascensão do protagonista rumo ao domínio do tráfico de drogas de Albuquerque. Veja dez motivos para assistir a Breaking BadCinco temporadas.

22. Better Call Saul

Coadjuvante que caiu nas graças dos fãs de Breaking Bad, o advogado picareta Saul Goodman, vivido por Bob Odenkirk, ganhou sua própria série. E se deu bem, apesar da gigantesca sombra da série matriz, uma das mais aclamadas produções da história da TV americana. Better Call Saul tem sua trama ambientada anos antes, quando ele atendia pelo nome Jimmy McGill. Jovem problemático, Jimmy consegue se formar em direito e ensaia uma carreira promissora com seu talento e bom coração, mas graças à falta de sorte, aos tombos do destino e a vocação para meter os pés pelas mãos, vive na maior dureza trabalhando por tostões até perceber um caminho mais promissor do outro lado a lei. Três temporadas.

23. Penny Dreadful

Penny Dreadful era o nome de folhetos de horror sensacionalista vendidos a um “penny” na Londres vitoriana. E o seriado criado por John Logan para o canal Showtime, estrelado por Eva Green e Josh Hartnett, é fiel ao material de origem, cruzando figuras clássicas do horror gótico, como Frankenstein e Dorian Gray, em uma Londres sombria e decadente. Três temporadas.

24. Ozark

O consultor financeiro Marty Byrde  (Jason Bateman) ganha a vida secretamente trabalhando para um cartel de drogas mexicano. Quando o patrão da organização criminosa descobre as falcatruas do seu parceiro, Byrde precisa fugir com a família de Chicago para a pequena cidade de Ozark. Lá, ele tem a tarefa de lavar uma fortuna, sem que seja percebido pelas autoridades ou pelos criminosos locais. Uma temporada disponível.

25. Lost

Você obviamente já ouviu falar desta que é uma das mais icônicas séries da TV. Pessoas que caíram numa ilha supostamente deserta passaram seis temporadas tentando descobrir que raios de lugar era aquele. Mas não apenas isso: Lost marcou seu nome na história não só por sua trama de mistério (muitos dos quais, é verdade, ficaram sem solução), mas especialmente pela experiência coletiva dos fãs. Para quem não viu, uma dica é começar as maratonas e não pesquisar muito na internet sobre a trama para evitar comentários desanimadores ou spoilers indesejados. Seis temporadas.

26. Mad Men

O nome dele é Draper, Don Draper. E depois dele a TV nunca mais foi a mesma. As sete temporadas de Mad Men (2007 – 2015) ajudaram a moldar a TV em sua chamada “era de ouro”, nos primeiros anos do século 21. Com um elenco afinado e uma reconstituição de época precisa, a série retrata os anos 1960 a partir da rotina glamourosa de uma agência de publicidade comandada por um gênio criativo, atormentado e de passado misterioso – interpretado por Jon Hamm. Sete temporadas.

27. Grace and Frankie

Imagina sair para jantar com um casal de “amigos” e descobrir que o seu marido mantém um relacionamento de duas décadas com o marido da mulher que você odeia muito? Pois é, aconteceu na comédia Grace and Frankie, que é protagonizada por Lily Tomlin e Jane Fonda. O pedido de divórcio duplo dá início à trama, que se desenrola a partir da convivência forçada das duas mulheres. A força maior está na atuação das protagonistas, que choram e sorriem e nos despertam as mesmas emoções. Três temporadas.

28. 13 Reasons Why

Esta série gerou polêmica por, supostamente, romantizar o suicídio. Isto porque a história é sobre uma garota que se matou e deixou fitas com gravações explicando, em 13 motivos, o que a levou até o ato trágico. A série acompanha os destinatários ouvindo as gravações. Recentemente a segunda temporada da série foi liberada. Nela, acompanhamos as consequências do suicídio de Hannah Baker. Duas temporadas disponível.

29. Atlanta

Com o recente sucesso que a faceta rapper de Donald Glover tem feito, vale a pena conferir a série dirigida pelo comediante, que nas horas vagas também atende pelo nome de Childish Gambino. A série acompanha a trajetória do rapper Paper Boi, junto de seu agente, Earn, e amigo, Darius. Elogiadíssimo pela crítica, Atlanta levou três Emmys por sua temporada de estreia ano passado. Uma temporada disponível.

30. Arrested Development

Com humor ágil e nonsense, além de uma trama que apresenta situações absurdas e constantes reviravoltas, Arrested Development gira em torno da inescrupulosa e desequilibrada família Bluth, que foi à falência após uma fraude, que culminou na prisão do patriarca George Bluth Sr. (Jeffrey Tambor). Cabe então ao filho Michael (Jason Bateman) assumir os negócios e manter a família unida. Exibida pela Fox de 2003 a 2006, foi cancelada e voltou em 2013 pela Netflix. Quatro temporadas disponíveis.

31. Santa Clarita Diet

Estrela do cinema, Drew Barrymore protagoniza esta comédia que satiriza o universo dos zumbis. Aqui, ela vive Sheila, uma corretora de imóveis que um dia “acorda morta”. A mulher perde a sensibilidade do corpo e passa a nutir um incontrolável desejo de alimentar-se de carne humana. Apoiada pelo marido – este bem vivo – ela passa a buscar vítimas para suas refeições. A segunda temporada está confirmada para 2018. Uma temporada disponível.

32. Vikings

Esta é para quem gosta do clima nórdico, com direito a batalhas entre vikings, histórias repletas de mitologia, famílias que brigam e reatam. Filmada na Irlanda, a série é uma coprodução daquele país com a televisão canadense. Quatro temporadas.

33. Designated Survivor 

Eternizado como o agente Jack Bauer no seriado 24 Horas, Kiefer Sutherland volta à Casa Branca neste seriado de ação. Mas desta vez em um cargo bem mais importante: inicialmente secretário de habitação do governo norte-americano, Tom Kirkman torna-se o presidente do país após atentado terrorista matar o mandatário e todos os outros 10 políticos na linha de sucessão. Duas temporadas disponíveis.

34. Desperate Housewives

O título da dramédia se refere às “donas de casa desesperadas” que moram em um subúrbio americano e passam por perrengues típicos de quem tem o combo marido-filhos, mas a história vai muito além disso: cada temporada da série, que ficou oito anos no ar, tem tantos mistérios e segredos que é preciso tempo para resolvê-los. Os episódios são narrados por uma dona de casa já morta, que se mata logo no início da trama e segue acompanhando do além as quatro amigas protagonistas. Oito temporadas.

35. Making a Murderer

Uma obra-prima do documentário capaz de envolver o público como se, na tela, se desenrolasse não um simples relato do real, e sim a mais refinada e intrincada das tramas de ficção. Making a Murderer é um documentário, mas também um suspense.

A produção mostra a saga de Steve Avery, um homem que passou 18 anos preso por um crime que não cometeu e consegue a liberdade devido a um exame de DNA que prova sua inocência. A história vira notícia e, quando está prestes a ganhar uma indenização pelo Estado, Avery se torna o principal suspeito do assassinato da fotógrafa e jornalista Teresa Halbach. Uma temporada.

36. The Crown

Inspirada em fatos reais e adaptada da peça de teatro The Audience, a produção mostrará a ascensão da a rainha Elizabeth II (Claire Foy, que ganhou o Globo de Ouro pelo papel em 2017) ao trono britânico após a morte precoce do pai, o rei George VI (Jared Harris), no começo da década de 1950. Além de mostrar como a chegada ao trono interferiu no casamento da jovem rainha com Philip Mountbatten (Matt Smith, de Doctor Who), a trama também foca na relação da rainha com o lendário primeiro-ministro Winston Churchill (John Lithgow), e com a irmã, a princesa Margaret (Vanessa Kirby). Duas temporadas.

37. American Crime Story: o Povo contra O.J. Simpson

Responsável por sucessos como Glee e American Horror Story, Murphy criou uma obra-prima da TV retratando uma das histórias mais exploradas dos EUA (e talvez do mundo), mesmo antes da era da internet: o chamado “julgamento do século”, que levou o ex-jogador de futebol americano O.J. Simpson ao banco dos réus em 1994, acusado de ter matado sua ex-mulher, Nicole Brown, e o amigo dela Ronald Goldman. Leia a crítica completaUma temporada.

38. The OA

Criada por Zal Batmanglij e Brit Marling (mesma dupla de O sistema e A seita misteriosa), convida a pensar sobre a experiência de quase morte (EQM). Na trama, Brit vive Prairie Johnson, uma jovem cega que havia sido dada como desaparecida sete anos antes, volta – já enxergando – à casa onde cresceu. Alguns consideram um milagre, outros um mistério a ser resolvido, já que a personagem se recusa a falar sobre o tempo em que esteve sumida. Uma temporada.

39. Desventuras em Série

Adaptação dos livros infantis lançados por Lemony Snicket (pseudônimo de Daniel Handler), o seriado acompanha os infortúnios dos irmãos Baudelaire: Violet (Malina Weissman), 14 anos, Klaus (Louis Hynes), 12, e a bebê Sunny (Presley Smith). Após seus pais morrerem, eles são enviados para morar com um parente distante, o Conde Olaf (Neil Patrick Harris), um cruel ator de teatro cuja intenção é pôr a mão na herança dos irmãos azarados. Uma temporada.

40. Sherlock

Benedict Cumberbatch e Martin Freeman encarnam com excelência uma versão mais realista e contemporânea dos personagens de Sir Arthur Conan Doyle – Holmes é o problemático e muito excêntrico detetive, enquanto Watson é uma figura independente e bem mais carismática em comparação aos livros. Andrew Scott vive um Jim Moriarty necessário para tornar os casos de mistério mais complexos e envolventes. Três temporadas.

41. Um Maluco no Pedaço

Hoje nome consagrado no cinema de Hollywood, Will Smith surgiu para o mundo nesta comédia que foi ao ar na televisão norte-americana entre 1990 e 1996 e fez sucesso no Brasil nas telas do SBT. Will é um garoto pobre criado nas perigosas ruas da Filadélfia mandado pela mãe para Bel-Air para ser criado pelos tios ricos. Ao longo de seis temporadas, o jovem encrenqueiro amadurece bastante, mas sem nunca perder o bom humor e o jeitão atrapalhado. Seis temporadas disponíveis.

42. Fuller House

Esta série é um spin-off de Full House (conhecida no Brasil como Três É Demais), grande sucesso entre os anos 1980 e 1990 responsável por revelar as gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen. A versão atualizada da Netflix, narra a história da veterinária D.J. Tanner (Candace Cameron Blue), que recém-viúva se muda para São Francisco após ter seu terceiro filho. Para cuidar das crianças, ela terá a ajuda da irmã Stephanie (Jodie Sweetin) e da amiga Kimmy (Andrea Barber), que decidem morar na mesma casa de D.J. Três temporadas disponíveis.

43. Dr. House

House (Hugh Laurie) é um médico brilhante que só se dedica a casos que lhe desafiam. Com seu sarcasmo e comportamento que beira à misantropia, vemos o doutor em cada episódio procurar a saída dentro de um labirinto de sintomas de seus pacientes que não fazem sentido, como se fosse um Sherlock Holmes da saúde. Oito temporadas.

44. The Fall

Um dos melhores suspenses da TV (leia a crítica), revelou o ator Jamie Dornan, depois cooptado para ser o galã de Cinquenta Tons de Cinza. Mas o grande nome da série é a atriz Gillian Anderson, a Dana Scully de Arquivo X. Ela interpreta a detetive no rastro do assassino cruel e bonitão que ataca jovens mulheres e que, lógica perversa desvendada apenas pelos grandes investigadores, mantém uma família (quase) perfeita. Três temporadas.

45. Orphan Black

A atriz canadense Tatiana Maslany se desdobra ao interpretar vários personagens simultaneamente (e praticamente leva a série nas costas). A protagonista é Sarah – uma órfã que testemunha o suicídio de uma mulher muito parecida com ela. Na primeira temporada, vemos que, ao assumir a identidade desta mulher, Sarah descobre que as duas são, na verdade, clones que um assassino está determinado a eliminar. Quatro temporadas.

46. 3%

Primeira série brasileira da Netflix, se passa em um futuro distópico, no qual o Brasil é governado por um regime autoritário, com a população dividida entre os muitos que vivem na pobreza e os poucos que dispõem de recursos para viver bem. Nessa configuração, para fugir da pobreza as pessoas se candidatam a um criterioso processo de seleção para chegar à ilha de Maralto, onde, acredita-se, esteja a sociedade perfeita.

47. Gilmore Girls

NETFLIX / DIVULGAÇÃO
NETFLIX / DIVULGAÇÃO

Criada por Amy Sherman-Palladino, a série narra a relação de amizade entre Lorelai Gilmore (Lauren Graham) e sua filha Rory Gilmore (Alexis Bledel). Com roteiro inteligente, referências pop e eruditas, além de personagens carismáticos, Gilmore Girls dosa entre o drama e a comédia. Exibida entre 2000 e 2007, a série retornou em 2016 em quatro episódios especiais. Sete temporadas.

48. Sense 8

série de ficção científica sobre oito desconhecidos que acabam ligados mentalmente por uma força pouco compreendida é, na verdade, muito mais sobre as dificuldades de nos conectarmos intimamente com outras pessoas do que qualquer outra coisa. Enquanto tentam desvendar o mistério, os oito protagonistas se envolvem em tramas pessoais que, não raro, os colocam em perigo. Destaque para a diversidade do papéis, que inclui uma mulher trans e lésbica, uma oriental, um negro e dois casais homossexuais. Duas temporadas.

49. The O.C.

A trama acompanha a história de Ryan Atwood (Ben McKenzie), um jovem problemático que é adotado pelo advogado Sandy Cohen (Peter Gallagher) e passa a viver em uma comunidade abastada de Orange County, na Califórnia – em um universo tomado por intrigas. Quatro temporadas.

50. Brooklyn Nine-Nine

série chegou a ser cancelada por algumas horas pela Fox, até que fãs se mobilizaram nas redes para pedir sua continuação. A NBC ouviu as preces do público e prometeu resgatar a produção por pelo menos mais duas temporadas. Brooklyn Nine-Nine acompanha o brilhante e imaturo detetive Jack Peralta, que precisa aprender a seguir as regras e trabalhar em equipe, quando um capitão exigente assume o comando de seu esquadrão.

*A imagem ilustrativa deste post criei no Canva.
*A dica das “50 series imperdíveis para ver na netflix” retirei do site https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/tv/noticia/2017/02/50-series-imperdiveis-para-ver-na-netflix-cj7w76wqf00io01nr4sxaz45z.html através de pesquisa na internet.
*Este é um post do BEDA! Para entender o que é o desafio clique aqui e para ver todos os posts já publicados clique aqui.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em 13 Reasons Why, Blog, Blog Every Day August, Grey's Anatomy, House, Seriados, The Crown e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.