Nosso Lar

Assisti o filme "Nosso Lar" recentemente, na companhia da minha mãe, e não poderia deixar de postar algo sobre o filme aqui no Spaces…
Ao meu ver, o filme foi fiel ao livro e com uma produção impecável… mas, não é um filme para leigos da doutrina espírita, tem que ter ao menos a introdução doutrinaria para compreender algumas passagens…
E quem quiser conhecer melhor o filme pode acessar o site oficial – http://www.nossolarofilme.com.br/
 
“Alguma vez você imaginou vida depois da vida?"
 
NOSSO LAR
 
SINOPSE

Após a morte do seu corpo físico, famoso médico acorda no mundo espiritual e vai viver numa colônia que paira sobre a Terra, onde terá que aprender novos valores morais e vencer a saudade da família na Terra. Adaptação para o cinema do livro homônimo psicografado por Chico Xavier a partir do espírito de André Luis.

 
CRÍTICA
 

Empenho técnico, retrocesso narrativo

Érico Borgo

 

É sempre complicado analisar filmes baseados em textos religiosos. Já é difícil criticar obras cinematográficas que têm fãs, então imagine as que têm devotos. Quando os defeitos de um longa-metragem como produto são apontados, corre-se o risco de parecer – erroneamente – preconceituoso, desrespeitoso com a fé alheia. Nosso Lar (2010), portanto, é dos mais complexos. Afinal, tem defeitos de monte, mas é baseado em obra fundamental do espiritismo brasileiro, o primeiro volume da série A Vida no Mundo Espiritual, escrita em 1944 pelo médium Chico Xavier (1910-2002).

Entre os integrantes do movimento espírita acredita-se que o texto tenha sido "psicografado", ou ditado, pelo espírito André Luiz, que é justamente o personagem principal do longa-metragem. Na história, o protagonista é um médico que, depois de uma vida de excessos, morre e desperta em outra dimensão, uma espécie de purgatório, o Umbral. Depois de arrepender-se das falhas de sua existência anterior, André é recolhido e levado à colônia Nosso Lar, onde começa seu aprendizado sobre a realidade da vida humana e o funcionamento do universo espiritual – lições essas que ele passa a relatar em cartas enquanto procura mudar seus valores morais.

O didatismo do texto literário, que esmiuça cada detalhe dessa nova realidade, é mantido pelo diretor Wagner de Assis (A Cartomante) em sua versão audiovisual. O resultado, ainda que deva encantar quem já conhece a obra original, é redundante e cansativo para quem se interessa por Nosso Lar apenas como cinema. Por exemplo, enquanto André (Renato Prieto) arrasta-se pelo Umbral, com seu olhar de desespero encarando as hostes sem rumo que lamentam seus destinos, a narração em off teima em relatar aquilo que nossos próprios olhos já estão vendo. A solução só piora ainda mais quando personagens professorais (Lísias, Clarêncio, Governador Anacleto…) surgem em cena para, essencialmente, explicar. E explicam tudo, o tempo todo.

A dramaticidade, portanto, é mero pano de fundo para um filme de reafirmação e disseminação da doutrina espírita. Assim, entende-se desde o primeiro frame o apoio da Federação Espírita Brasileira à produção. O que fica difícil compreender é como um filme de uma doutrina tão positiva (a "Lei de Ação e Reação" é algo com que qualquer um pode se identificar) atropele a fé alheia em nome do espetáculo. Não me importei em momento algum com as diversas cenas que insistem em como os céticos estão errados sobre o pós-vida (é papel óbvio do filme tentar me convencer do contrário), mas a chegada ao Nosso Lar das vítimas do Holocausto, estrelas de Davi costuradas no peito e peot no cabelo, é difícil de assistir. Ainda que tente ser respeitosa e solene, a sequência ignora diferenças fundamentais nos conceitos de vida eterna das duas religiões e me pareceu equivocada e invasiva. Não importa o quanto você tenha certeza de suas crenças – elas são suas e não do outro.

Empenho técnico

Com orçamento estimado em 20 milhões de reais, alocado graças ao potencial de público (estima-se que 2,5 milhões de brasileiros sejam adeptos do Espiritismo), Nosso Lar é a mais cara produção cinematográfica da história do Brasil. Diferente do campeão anterior, Lula – O Filho do Brasil (por volta de 15 milhões), porém, neste o valor do investimento pode ser efetivamente apreciado na tela.

Parte dessa verba ficou com o desafio técnico de criar a colônia espiritual – que me lembrou uma mistura de Brasília com Krypton, desenhada a partir de ilustrações mediúnicas – desenvolvida pela canadense Intelligent Creatures. A empresa é conhecida por animar a máscara de Rorschach em Watchamen e criar cenários para A Fonte da Vida e Anjos da Noite: A Rebelião, entre outros projetos. Os takes aéreos da cidade são muito bem realizados, assim como outras sequências que exigem o uso maciço de efeitos especiais. Tudo muito convincente (os interiores, nem tanto). A produção não economizou também na trilha incidental: chamou Philip Glass, um talento (ainda que irregular) de Hollywood. Infelizmente, sua composição para o filme, intrusiva e óbvia, não está entre seus melhores trabalhos. A fotografia, que imprime à obra os tons de capas de publicações religiosas, também contou com talento importado, o suíço Ueli Steiger (10.000 a.C.).

Com tamanho esmero técnico, não fossem os excesso didáticos (de roteiro e elenco) e o tom de sermão, Nosso Lar seria bem mais importante para a cinematografia nacional do que resultou. De qualquer maneira, é filme que prova que, se houver vontade, o Brasil pode sair do eixo comédia romântica, favela e drama, em direção a outros gêneros ainda pouco explorados por aqui. A intenção é animadora.

CURIOSIDADES

As filmagens foram realizadas no Rio de Janeiro e em Brasília e duraram oito semanas. A muralha do Nosso Lar foi realmente construída ao ar livre em uma fazenda em Guaratiba, na cidade do Rio de Janeiro. No total, a construção tinha cerca de 70 metros de comprimento e sete metros de altura e envolveu cerca de 30 profissionais em 30 dias. Encerradas as gravações em Guaratiba, a equipe transportou o portal e 20 metros de muralha para o bairro de São Cristovão para filmar em detalhe a entrada e a alameda principal da cidade Nosso Lar.

Os efeitos visuais do Nosso Lar foram produzidos pela empresa canadense Intelligent Creatures. Durante nove meses, mais de 300 imagens do filme foram visualmente trabalhadas. A equipe de efeitos visuais chegou a contar com o trabalho de 90 profissionais. A equipe brasileira viajou diversas vezes para Toronto e enfrentou temperatura de menos 33 graus centígrados em pleno inverno canadense. Para filmar o Nosso Lar foram necessários cerca de 1000 metros quadrados de chroma key (fundo azul). Em alguns casos, como os das cenas da parte externa da cidade Nosso Lar, rodadas no Monumento aos Pracinhas, Rio de Janeiro, a equipe teve que produzir um chroma-key de 360 metros quadrados.

Nas cenas da casa de Lísias, a rua foi composta a partir de construção real e efeitos visuais para reproduzir as residências de Nosso Lar. Foram construídas fachadas de algumas casas e com a ajuda dos painéis de chroma-key (fundo azul) originou-se um efeito de uma rua repleta de casas.

No filme, a cidade Nosso Lar está localizada a 50km de distância da Terra.

Só para efeitos visuais, a equipe precisou de mais de 2000 metros de fios, tubos e cabos para as filmagens. Também foram usadas mais de 50 máquinas e mais de meia tonelada de gelo seco para reprodução dos diferentes tipos de fumaça (ao todo foram seis).

O protagonista Renato Prieto se preparou durante seis meses para esse trabalho. O ator emagreceu cerca de 18 quilos através de acompanhamento médico e de uma dieta que cortou carboidratos e permitia uma quantidade muito baixa de calorias. Durante as filmagens, Prieto chegou ficar cerca de sete horas na sala de maquiagem para filmar principalmente as cenas do umbral.

Com cerca de 14 metros de comprimento e peso de sete toneladas, o aeróbus era tão grande que a equipe não conseguia lugar para guardá-lo. Foi construído em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, e demorou cinco dias para chegar ao Rio de Janeiro em uma carreta estendida, único meio de transporte capaz de fazer o frete. Alguns meios de comunicação testemunharam o transporte deste objeto não identificado e fizeram inúmeras indagações sobre o que seria esta ‘espaçonave’.

As cenas do umbral foram realizadas em uma pedreira no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. O lugar tem 10 mil metros quadrados, tendo duas vezes o tamanho do estádio do Maracanã.

As filmagens do Umbral foram grandiosas. Foram utilizados 8 km de cabo e as luzes tiveram que ser erguidas por dois carvalhões a mais de 50 metros de altura. Para surpresa da produtora delegada Ilana Brakarz, ainda foram necessários seis tipos de fumaça diferentes.

O maior dia de filmagem foi a cena da guerra. O ambiente inóspito e a locação longínqua transformaram as gravações numa verdadeira operação de guerra que contou com quase todo o elenco, equipe e figurantes, somando cerca de 1000 pessoas trabalhando no set.

O processo de criação do figurino na fase do umbral baseou-se na ideia de como eram aqueles espíritos enquanto encarnados – estilo de vida, hábitos, roupas – e, posteriormente, destruir essas características. Foram transformadas cerca de 1500
peças de figurino.

Até este filme, essa foi a produção mais cara já realizada no Brasil: foram R$ 20 milhões – a maior parte disso empregada nos efeitos especiais. Antes dele, o maior orçamento de um filme brasileiro foi gasto em "Lula, O Filho do Brasil", com estimados 16 milhões de reais.

TRAILER OFICIAL

  


*A imagem ilustrativa deste post retirei do blogspot https://maryalcantaras.files.wordpress.com/2010/09/filme_nosso_lar.jpg?w=214 através de pesquisa na internet.
*A sinopse do filme "Nosso Lar" retirei do site http://epipoca.uol.com.br/filmes_detalhes.php?idf=22413 através de pesquisa na internet.
*A crítica sobre o filme "Nosso Lar" retirei do site http://www.omelete.com.br/cinema/critica-nosso-lar/ através de pesquisa na internet.
*As curiosidades do filme retirei do site http://epipoca.uol.com.br/filmes_curiosidades.php?idf=22413 através de pesquisa na internet.
*O trailer oficial do filme "Nosso Lar" retirei do site http://www.youtube.com/watch?v=3EcOGAxYPHo através de pesquisa na internet.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em Cinefilia/Cinéfilo e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Nosso Lar

  1. Marilene disse:

    Adorei ir ao cinema com você…O filme é belíssimo!O filme é de qualidade além de ser esclarecedor, uma vez que a vida não termina com a morte do corpo…O Cinema Nacional está acertando o caminho.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s