Banquete do Amor

Pra curar a fossa pela perda do título da Libertadores… nada melhor do que assistir a vários DVD’s… e pra começar a seleção de filmes – com vocês "Banquete do Amor"… um filme que agrada muito com ótima atuação de Morgan Freeman. O filme conta várias histórias, que acabam se encontrando e formando um bom filme, que vale a pena assistir.
 
Banquete do Amor
(Feast of Love)
 
Sinopse
 
Em uma pequena comunidade um professor acompanha as mudanças que o amor provoca nos moradores locais.
 
Resenha
 

Quando Robert Benton levou os Oscars de roteiro e direção por Kramer vs. Kramer, os tempos eram outros. Discutir relações em 1979 envolvia mexer com tabus que em 2008 se tornaram banalidade. Da mesma forma, o cinema hollywoodiano naquela época não tratava o homossexualismo e a nudez com a naturalidade de hoje em dia.

Benton tenta com Banquete do Amor (Feast of Love, 2007) dar uma cara mais atual aos conflitos de casal ao mesmo tempo em que flerta com essa tal "modernidade": filma mulheres nuas se beijando, jovens fazendo amor em campos de futebol, reúne vários casais no estilo que virou regra, a trama-mosaico. Benton sabe tratar personagens com respeito, mas será que este cronista do século passado se sente à vontade para falar dos anos 2000?

Reprisando seu eterno papel de conselheiro existencial, Morgan Freeman vive o professor de filosofia Harry Stevenson. Almas carentes de ajuda não faltam: tem o tipo certinho (Greg Kinnear) que projeta nas suas esposas as mulheres que só ele vê, tem a corretora de imóvel (Radha Mitchell) que não se acerta com seu amante casado, e tem o casal adolescente (Alexa Davalos e Toby Hemingway) cujo amor perfeito sofre diante das imperfeições do dia-a-dia. O professor pena para ajudar cada um deles e esquece que quem realmente precisa de ajuda é si mesmo.

O filme abre deixando claro que estamos na cidade de Portland, Oregon, mais exatamente num meio universitário que reúne cabeças boas, corpos cuidados e um ambiente saudável. Logo de cara duas atletas flertam após um jogo de softball enquanto se banham da luz que entra pela persiana de uma lanchonete. Close-ups de belos rostos, feromônios no ar como em um sonho etéreo… Com alguns minutos o filme sugere que vai ser uma refeição erótica de fato, e Freeman, aquele que tudo vê e no fim não come ninguém, só observa.

Benton sabe montar o clima, difícil é segurá-lo. Não demora para que esse jogo de luz e sombra vire um chavão cafona, com um sem-fim de persianas emprestadas de pornôs soft, à medida em que os casais vão se metendo na trama e o diretor precisa sustentar sua escolha "liberal". Teria o diretor perdido a mão nesse vácuo de 30 anos? Se não for assim então é preciso rever Kramer vs. Kramer urgentemente, porque não é capaz que um vencedor do Oscar erre tão primariamente em matérias como iluminação e encadeamento de planos.

Um exemplo é a maneira como a cartomante se movimenta de um plano ao outro, com cortes que parecem soluços, e a má decupagem das cenas que mostram a corretora em momentos de introspecção. Outro, abismal, é a luz baixa do quarto que pega Radha Mitchell nua e no momento seguinte, quando ela veste a camisa, a luz do mesmo quarto já está mais forte. São detalhes que podem passar despercebidos pelo público, mas que a um profissional como Benton não se tolera.

Formalismos à parte, é preciso no fim muita boa vontade para engolir o indigesto banquete. Na ânsia de aderir a uma narrativa coral, Benton subestima o potencial de todos os personagens. E incapaz de dar substância a cada um deles, tapa os buracos com frases feitas (que solução batida evocar deuses gregos…) e até aquela música pegajosa de Apenas uma Vez, "Falling Slowly".

Que seja dado um desconto a Robert Benton: desta vez ele não assina o roteiro. A adaptação do romance de Charles Baxter, que dá origem ao fim, fica nas mãos da roteirista Allison Burnett. A direção de Benton é amadora, mas de amadores – ou melhor, de profissionais que reproduzem fórmulas com amadorismo – Banquete do Amor está cheio.


*A imagem ilustrativa do filme "Banquete do Amor" retirei do site http://moviesense.files.wordpress.com/2007/10/feastoflove.jpg através de pesquisa na internet.

*A resenha do filme retirei do site http://www.omelete.com.br/cine/100012523/Banquete_do_Amor.aspx através de pesquisa na internet.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em Cinefilia/Cinéfilo e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Banquete do Amor

  1. Otávio José da Fonseca Júnior disse:

    Olá Mari. Também sofri pela derrota do Cruzeiro. Afinal era o Brasil na Libertadores! Mas…. fazer o que? Gostei da dica. Vou procurar por este filme. Bom final de semana. Bjs.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s