Ligeiramente Grávidos

Assiti este filme e recomendo… 
 

Ligeiramente Grávidos

 

LIGEIRAMENTE GRÁVIDOS (Knocked Up, EUA, 2007)

Dirigido por Judd Apatow. Com: Seth Rogen, Katherine Heigl, Paul Rudd, Leslie Mann, Jason Segel, Hay Baruchel, Jonah Hill, Martin Starr, Charlyne Yi.

No “boom” das comédias modernas, ou seja, que possuam grandes revelações, Judd Apatow e Seth Rogen são os nomes do momento. Produzido, escrevendo, dirigindo ou atuando, os dois fizeram seus nomes ecoar depois do bem intencionado “O Virgem de 40 Anos” e agora com o engraçadíssimo “Superbad – É Hoje”. Antes desse segundo, cometeram “Ligeiramente Grávidos”, trabalho tão bocudo quanto, mas de características mais familiares.

A sinopse é curta e não parece oferecer grandes surpresas: “Um jovem de 20 e poucos anos descobre que engravidou uma mulher com quem passou apenas uma noite”. O tal jovem é Ben (Rogen), um cara relaxado, que vive de uma indenização que ganhou dez anos atrás, depois de ter sido atropelado. A moça é Alison (Heigl), uma assistente de TV que acabou de ganhar uma promoção. Sai pra comemorar numa balada, encontra o rechonchudo bem e vai nele mesmo. No dia seguinte, ela percebe que não combina com o par e dá um “tchau e até logo”. Quando percebe que está grávida, terá que rever suas decisões.

O filme é totalmente liberal, da concepção de um filho sem casamento até o uso de drogas. Na área de maternidade, o aborto é rapidamente discutido, pois o clima é otimista demais para que a criança veja a luz do mundo. O problema está em seus pais e no amor que eles (ainda) não sentem um pelo outro. A título de comparação, Alison mora da casa do jardim da irmã (Mann); esta se casou com Pete (Rudd) porque teve um filho com ele e não é feliz. Sobra receio para que essa situação não se repita.

No lado da Ben, a parte mais divertida e politicamente incorreta do longa. Ele vive com seus amigos drogados que estão construindo um site erótico, com fotos de atrizes hollywoodianas nuas em seus filmes. Dizem que vai dar dinheiro, mas o comodismo é maior. Para o personagem de Rogen, a paternidade veio em boa hora, já que o dinheiro da indenização está nos últimos suspiros.

O problema de “Ligeiramente Grávidos” está na arte de procurar problemas para seus personagens. Existem as reflexões em torno do amor por conveniência e a infelicidade do casamento, mas ele fica extremamente aborrecido quando resolve explorar as instabilidades femininas. A comédia inconseqüente foi-se embora para dar lugar ao drama existencialista. Só para se ter uma idéia, Debbie, a irmã de Alison, fica enraivecida com o marido ao descobrir que ele freqüentava um grupo de viciados em beisebol (ela achava que estava sendo traída). De qualquer forma, o sentimento é o mesmo. E as mulheres ficam achando que são velhas demais pra qualquer coisa. A personagem de Leslie Mann não é chateia só o marido, mas o público todo.

Seu filme tem hora certa pra acabar: justamente quando o bebê concebido imprudentemente nasce. O dilema se concentra no acerto de contas entre pais. Fora isso, a questão sobre as drogas é mal resolvida; sua aceitação fica num meio-termo. E a viagem para Las Vegas, embora seja o sonho de todo cara esquecer que o casamento existe por uns dias, acaba não funcionando completamente.

O elenco, com exceção de Leslie Mann, está bem. Rogen, um perfeito ogro, e Heigl, uma perfeita dama; a trilha sonora no início do filme marca bem suas personalidades. Os coadjuvantes da casa de Bem são perfeitamente engraçados, assim como Paul Rudd, que precisa de uma oportunidade melhor para mostrar seu talento.

Assim, esta película da parceria Apatow/Rogen vai muito bem no campo do besteirol, não abandonado referências à cultura pop, mas derrapa muitas vezes quando adentra o universo feminino, cheio de imbróglios que talvez só elas entendam.

Uma comédia humana. Humana demais. É aí que reside o perigo, infelizmente.

 

Posso estar escrevendo no calor do momento, mas acredito que não vi filme tão engraçado como LIGEIRAMENTE GRÍVIDOS (onde eles tiram estes títulos?) este ano. Me agrada muito este estilo de comédia mais humana, onde se ri do protagonista, normalmente nerd ou um típico “loser”, no entanto, o roteiro da trama o faz tão carismático que é impossível não simpatizar com os problemas e desafios do mesmo.

Ligeiramente Grávidos

Comédia faz piada com gravidez indesejada.

Aqui, Ben (Seth Rogen, ótimo), um típico nerd americano que mora com os amigos (obviamente, uma turma bastante excêntrica), se encontra com Alison (a bela Katherine Heigl, de Grey`s Anatomy), repórter recém promovida á apresentadora do canal E! (inclusive, no início surge o apresentador Ryan Seacrest fazendo piada sobre os jovens talentos), numa boate. Alison já bêbada passa a noite curtindo Ben, depois da saída espicham a noite até a casa de Alison, e durante o bem bom, Ben abre mão da camisinha sendo que semanas depois vem o resultado: gravidez.

Mesmo que em momento algum Alison pense em aborto, o que não seria nada anormal visto a maneira como ocorreu e com a pessoa de Ben (da qual Alison se arrepende na manhã seguinte, numa cena hilária), LIGEIRAMENTE GRÍVIDOS acerta na maneira como retrata este impasse tão atual: jovens imaturos e despreparados enfrentando uma gravidez indesejada e, ainda, com uma pessoa desconhecida. Além da relação que nasce desta gravidez entre Alison e Ben, também o filme retrata o casamento de Debbie (Leslie Mann, mulher do diretor Judd Apatow), irmã de Alison, e Pete (Paul Rudd, ótimo), que mesmo casados há mais tempo, inclusive com duas filhas, enfrentam problemas de relacionamento.

“A Bela e o Nerd”
 

Na verdade, o roteiro de Judd Apatow, responsável pelo ótimo O Virgem de 40, constrói personagens e diversas situações que demonstram o quanto a geração dos vinte e poucos anos está despreparada para assumir responsabilidades sérias como casamento e filhos, por serem em demasia, egoístas e infantis. Pode parecer um tema sério, mas LIGEIRAMENTE GRÍVIDOS sabe dosar as situações dramáticas criando diversas seqüências cômicas e com participações de atores como, Steve Carrell, James Franco, Eva Mendes e do diretor Harold Ramis. O filme somente não precisava abusar da metragem de mais de duas horas, que para uma comédia fica acima do suficiente.


A imagem ilustrativa e as informações do filme Ligeiramente Grávidos retirei do blogspot http://cinematoca.blogspot.com/2007/10/ligeiramente-grvidos.html através de pesquisa na internet. 
A resenha do filme Ligeiramente Grávidos retirei do site http://atoouefeito.com.br/resenha-ligeiramente-gravidos.html através de pesquisa na interent.

Sobre maryalcantaras

Sou uma pessoa calma e bastante tímida. Não costumo sair muito e por isso vivo na internet. Sou bem eclética em questões referentes a preferências... adoro ler, ouvir música, dançar e tomar umas biritas de vez em quando... mas o que eu adoro mesmo é DORMIR e BEIJAR!!! Meu hobbie é DORMIR. Me interesso por coisas variadas, gosto tanto de coisas simples quanto de coisas rebuscadas. "O Amor conquista-se com Amor e não impondo regras." (A.D.) E talvez tenha de praticar um pouco mais a minha tolerância...
Esse post foi publicado em Cinefilia/Cinéfilo e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s